quarta-feira, 21 de setembro de 2011

Só de passagem

Oi, avoadinhos!

Desculpa o sumiço, mas sabe como é, né. Pros DDAs, os projetos começam e dificilmente terminam. Ainda assim, isso não quer dizer que eu vou abandonar vocês, muito pelo contrário.

Antes de qualquer coisa, esse blog é um encontro comigo mesma, com as minhas limitações e a única maneira que eu sei de racionalizar e resolver meus problemas: escrevendo.

O DDA é o problema do momento, mas como o meu namorado fala, a fissura inicial já passou. Estou tentando me adaptar melhor a cada dia a esta condição, ficando mais atenta a eventuais descuidos. E como tudo na minha vida, esse período está passando rápido demais preu verbalizar, racionalizar ou colocar no papel (ou no post, como queiram).

Outra caracterísitca do DDA é postergar tarefas "chatas". E se vocês tem acompanhado este blog, podem ter ideia que o que virá adiante é tenso (pelo menos pra mim).

Já falei da minha infância e da minha adolescência. Finalmente, chegou a hora de encarar as perspectivas presentes e atuais do transtorno. E ouso dizer que se eu não estivesse tomando fluoxetina, provavelmente não teria nem ânimo de escrever este post, pois eu andava muito insatisfeita comigo mesma e os últimos resultados do DDA na minha vida profissional.

Levo e sempre levei minha vida profissional muito a sério, embora eu ainda não atue plenamente na área em que escolhi.Porém, dedicação não impedem a gente de fazer besteira por conta do DDA. Lidar com a culpa oriunda desses últimos acontecimentos é que tem sido meu mais recente desafio e reconstruir minha auto-confiança é o próximo passo.

Prometo que assim que eu me sentir pronta pra encarar essas coisas de frente, volto aqui e conto tudinho pra vocês! =)

Por enquanto, tô tentando voltar a minha rotina e organizar minha cabeça.

sexta-feira, 2 de setembro de 2011

Aspectos positivos do DDA

Como se não bastasse a gente ser estigmatizado por conta da nossa condição a vida toda, afetando a nossa auto-estima, os artigos científicos e afins que falam sobre TDAH sempre enfatizam os sintomas e as consequências negativas que o transtorno pode trazer.

Eu já tava de saco cheio de ser lembrada de como eu sou desmemoriada, atrapalhada e desatenta então vocês podem imaginar minha alegria quando achei um texto que falava sobre os aspectos positivos do DDA. (algo de bom nessa merda tem que ter, meu Deus!)

Achei tão bacana que resolvi dividir aqui com vocês, com direito a comentários meus com impressões sobre o texto. Os comentários estão em azulzinho e depois do asterisco.Aí vai!


O DDA tem muitas conotações negativas e, infelizmente, por causa disso, as características positivas das pessoas diagnosticadas são ignoradas apesar destas demandarem maior incentivo nesse sentido.
Até o momento estão relacionadas algumas características positivas freqüentes nos portadores do DDA:

• Sensibilidade.
• Compreensão dos sentimentos alheios.
• Sentimentos profundos.
• Naturalmente criativos (incluindo a solução de problemas). * Quem se mete em muita encrenca uma hora tem que aprender a encontrar soluções, né?
• Inventivos. *Ah,isso é! Vivo inventando esquemas pra não esquecer meus compromissos e desculpas pra estar pensando "na morte da bezerra"
• Freqüentemente vêem as coisas de uma perspectiva peculiar. * Se estiver brilhando muito ou me chamar a atenção, pode virar uma estória na minha cabeça, com uma visão peculiar no mínimo, certeza.
• Bons em encontrar coisas perdidas (como pessoas em uma multidão). *Nos atemos a detalhes que algumas pessoas não veem e como vivemos perdendo nossas coisas, nos especializamos em achá-las!
• Têm percepção acurada. *Jura? Isso não funciona comigo. Geralmente estou ocupada NÃO percebendo coisas.
• Cômicos. * Vai dizer que não é engraçado ver alguém tropeçando e se batendo nas coisas o tempo todo? É, pimenta no dos outros é refresco, amigo!
• Espontâneos. *Claro, eu não consigo fingir DDA! É espontâneo mesmo!
• Engraçados. * De novo, no dos outros é bacana, né, bonito?
• Energéticos. *E às vezes é por isso que eu tropeço e me estabaco.
• Abertos, transparentes. *Impulsividade é isso, queridão! Mal abre a boca, já sai falando o que não deve!
• Não guardam ressentimentos. *Claro! A gente esquece dali uma hora!
• Rápidos nas atividades que gostam de realizar. *Isso não significa ejaculação precoce, amigos avoados!
• Difíceis de enganar. *Isso também não funciona comigo. Minha ingenuidade é maior que meu DDA. =/
• Penetram as pessoas e situações vendo além das aparências. *Mas pelamordedeus, menina! Não me pergunte se eu notei algo diferente em você, que eu nunca vou saber!
• Seguros. *Hein? Eu vivo errando coisas banais, segurança passa longe, benhê.
• Sociáveis. *Você está na fila do banco. Alguém a dois metros de você reclama da demora e claro, você escuta! Imediatamente rola uma empatia e começa um papo que, por conta das circunstâncias momentâneas e da sua natural disposição pra falar, pode se prolongar por horas e você sai do banco com um novo amigo. Viu a cena? Dèja vu?
• Multidisciplinares. *E consequentemente, inconclusivos.
• Originais. *Vai dizer que você nunca percebeu que dá pra contar uma estorinha feita só com emoticons do MSN???
• Observadores. *De muitas coisas ao mesmo tempo, de preferência.
• Leais.
• Tendidos a realizarem tarefas porque querem e não porque devem. *Isso é legal aonde? O mundo inteiro caga pra o que você quer mas vive dando pitaco no que você DEVE fazer!

É. Acho que eu ainda não aceitei muito bem o diagnóstico a ponto de ver muitas coisas positivas.

Talvez você goste de...

Tags

ABDA (4) academia (2) acordar (1) adolescência (1) agressividade (2) álcool (1) alimentação (1) android (1) anjo da guarda (1) ano novo (1) ansiedade (5) antidepressivos (2) apertar dentes (1) aplicativos (2) arte (2) asperger (1) astrid (2) atrasos (1) autismo (1) autoboicote (1) autoconhecimento (1) autosabotagem (1) banho (1) bau (2) bebida (2) benfeitoria (1) benjamin franklin (1) bispo do rosário (1) blog (3) bruxismo (1) bula (1) bullet journal (1) bulletjournal (1) casa (1) causos (1) celular (2) cérebro (4) ciclotimia (1) cocaína (1) colônia Juliano Moreira (1) como eu me sinto quando (1) contato (1) cotidiano (22) cozinha (2) crianças (1) crianças cristal (1) crianças índigo (1) crise (1) dança (2) daniel radcliff (1) dda (1) dentes (1) depressão (3) desatento (3) dgt td (1) dica (1) direito (1) disforia (1) dispraxia (1) distmia (2) distração (3) divagar (1) divaldo franco (1) dívidas (1) dor (1) dorgas (1) drogas (1) efeitos colaterais (3) eleições 2014 (1) escola (1) espiritismo (4) esquecimento (5) estimulantes (1) estrutura externa (3) estudos (2) evernote (1) Exercício (1) exercícios (3) facebook (1) faculdade (1) festa duro (1) foco (1) forbes (1) fórum (1) gardenal (1) gerenciamento de tempo (4) gestor de tarefas (2) google (1) grupo de ajuda (1) gtasks (1) hallowell (2) Hariel (1) harry potter (1) hiperatividade (2) hiperativo (3) hiperfoco (1) Hospício Pedro II (1) impulsividade (1) infância (1) insensata (1) insônia (3) ioga (2) Joanna de Ângelis (1) jogos (1) kátia cega (1) leitura (1) link (2) listas (3) literatura (1) livro (9) loucura (1) lumosity (3) maconha (1) Maksoud (2) mandíbula (1) mau-humor (1) medicação (11) meditação (3) meme (6) memes (1) memória (1) metilfenidato (1) métodos (5) mitos (9) mostra (1) não está sendo fácil (1) neurofeedback (1) notícia (1) o ciclo da auto-sabotagem (1) organização (6) party hard (1) paulo mattos (2) pesquisa (1) Pinel (1) poesia (1) posts (1) Produtividade (1) psicologia (1) ranger dentes (1) reiki (1) relações sociais (2) relato (1) religião (3) resenha (2) rio de janeiro (1) ritalina (7) ritalina com bobagem (1) rivotril (1) rotina (2) russel barkley (1) São Paulo (2) saúde (2) Seminário (2) site (1) sono (2) stanford (1) tarefas (2) tasks. listas (1) tda (1) tdah (18) tdah adulto (7) tdah infantil (3) tendência (1) teorias (1) teste (2) trabalho (5) tv (1) viagem (1) viagra (1) vício (1) vida financeira (1) Vídeo (5) vídeos (1) vugnon (1) yoga (2)